27 JUL

Noisecontrollers

Desde que o espectro do Hardstyle emergiu das profundezas do Universo, muito poucos projetos têm sobrevivido à prova do tempo com sucesso, carregando tamanho teor passional e criatividade renovadora nas suas produções no transcurso dos anos. Os Noisecontrollers são, seguramente, um desses raros exemplos de pura criatividade e resiliência no mundo do Hardstyle, contando já mais de uma década de existência.

Deve-se ao portentoso produtor Bas Oksam a criação dos Noisecontrollers, em 2005, ladeado por Arjan Terpstra. Desde o seu início, ficou patente a carácter exploratório e a paixão criativa de Bas, de que são prova cabal os lançamentos “Crump”, “Marlboro Man”, “Shreek”, “Ctrl.Alt.Delete” e “Tonight” (com Headhunterz e Wildstylez), temas aclamados pela crítica como cânones absolutos da esfera Hardstyle.

De entre os primeiros indícios disso mesmo, encontramos o seu primeiro álbum, “E=NC2 (The Science Of Hardstyle)”, obra que presenteou o público com o poder criativo contido em faixas como “So High”, “Pillars Of Creation” e “Universe Was Born”. O lançamento do álbum coincidiu com um dos momentos mais marcantes da carreira de Bas, inscrevendo os Noisecontrollers como um dos nomes cimeiros e mais influentes da cena Hardstyle: a performance X‐Qlusive Noisecontrollers, ao vivo no Heineken Music Hall.

A assinatura contagiante e celebratória do som dos Noisecontrollers é o resultado de uma produção de excelência e da demanda por um domínio absoluto da gramática do Hardstyle, combinados com a capacidade única de envolvimento emocional com o público. O estilo de composição de Bas, evidencia a fusão informada de vários estilos musicais oriundos do filão da música de dança, tais como o dubstep e a house, notória em faixas como “Get Loose” – com Showtek – e a remistura dos Noisecontrollers para a “Apollo” de Hardwell.

Isto precede, em 2015, o lançamento de “Only You”, pela Armada. Estas composições de interceção estilística, de cunho certeiro, sofisticado e pessoal, motivaram uma entusiástica resposta por parte de públicos transversais, até então desalinhados com a linguagem da Hard Dance.

Esta inusitada fusão alquímica entre estruturas melódicas e a cadência telúrica dos beats – aquele momento de “Eureka!” para qualquer produtor – possui o poder hipnótico de transcender o tempo e de se inscrever enquanto momento/ lugar comunal para públicos de várias idades e estilos de vida.
2014 marca um outro momento de pura energia inovadora, quando os Noisecontrollers lançam o seminal “All Around” pela Q-Dance Records. O álbum disseminou-se literalmente pelo mundo fora, com Bas a empreender uma digressão que o levou a atravessar a Europa, Estados Unidos e Austrália. Exibindo uma vincada sofisticação na interpretação dos códigos do Hardstyle, faixas como “Down, Down”, “What?!”, e “Cats, Jets and Breaks” – com Wildstylez – depressa alcançaram o panteão dos clássicos imediatos. O impacto estrondoso de “All Around” marca indelevelmente a afirmação de Bas, cuja identidade musical transcende largamente o espetro da música eletrónica, o que lhe permite a ascensão, em 2014, à posição nº67 no top 100 DJ’s pela publicação DJ Mag.
Após um 2014 de consagração, 2015 fica marcado pelo o anúncio do lançamento de “All Night Long”, que fez suster a respiração dos fãs de Noisecontrollers. Um feixe de arte que colige material de estúdio produzido entre 2013 e 2015. Assumindo um teor de premeditada disrupção na produção discográfica, “All Night Long” patenteia uma abordagem múltipla, transgressora e experimental, rompendo as convenções e os confinamentos do Hardstyle, e desvendando múltiplos e novos territórios musicais. “All Night Long” motivou uma miríade de reações positivas ao superar, uma vez mais, as expetativas dos públicos mais exigentes.

A fechar 2015, Bas celebrou o mais simbólico momento da sua carreira: o 10º aniversário dos Noisecontrollers. Perfazendo uma década de inabalável entrega ao Hardstyle, Bas investiu-se em novas realizações com o lançamento de um inspirador documentário, oferecendo aos seus fãs um olhar intimista sobre o seu percurso pessoal e profissional, bem como a edição de “10 Years Noisecontrollers”, edição de colecionadores. Para além do lançamento deste CD e do documentário, “10 Years Noisecontrollers” foi amplamente celebrado em vários eventos, capítulos de uma digressão exclusiva e celebratória. Com o seu amor pela música enquanto força motriz que o leva a viajar o mundo, 2015 foi ainda o ano que deu a conhecer o trabalho de Bas, ao vivo, aos públicos da África de Sul e Índia, evidenciando a sua vocação global, tendo atuado em todos os continentes à exceção da Antártida.

Distinguido como o seu ano mais marcante até à data, 2015 desencadeou igualmente uma torrente de colaborações para os Noisecontrollers, trazendo à luz uma admirável química no trabalho colaborativo com os Bass Modulators. O primeiro resultado desta parceria, “Rocked Up”, marca indelevelmente o significado desta união. A esta primeira co-produção, seguiu-se a luminosidade estival de “Solar”, desvendada no Defqon.1 durante o épico concerto de encerramento, e não tardou a que esta predestinada e melódica obra-prima tomasse os tops de assalto, instalando-se em nº1 do hardstyle.com, figurando no Spotify Viral 50, na Holanda, e ascendendo ao 1º lugar do Hardstyle Top 100 (2015). Após esta fértil colaboração, os Noisecontrollers foram desafiados a remisturar a faixa “Let Me See Ya” (de 2014) dos Bass Modulators.

Desde as mais iniciáticas colaborações, à formação desta fecunda parceria, Noisecontrollers e Bass Modulators cedo detetaram a relevância de uma união de facto, num projeto comum sobe o acrónimo NCBM. Lançado oficialmente no Hard Bass, em Janeiro de 2016, diante de uma plateia de 26.000 sedentos fãs, esta primeira atuação ao vivo é a marca do enorme sucesso deste novo ensemble, que veio a resultar no lançamento de trabalhos como “Holding On”, “Het Gevoel Van”, “Glitch”, bem como na inédita composição a solo de Noisecontrollers “The Game”.

Pioneiros na arte da inovação, herdeiros do seu próprio percurso de uma década de devoção a este género musical, o legado dos Noisecontrollers persiste mais forte que nunca, porquanto sempre renovadas e excitantes demandas se fazem anunciar nos anos vindouros.